A BUCETA DE PANDORA


Narra um velho mito grego, ao qual o próprio Machado de Assis dedicou um conto, que Pandora foi a primeira mulher da humanidade e, ao abrir a boceta (uma pequena bolsa) que lhe foi dada por Zeus, deixou dela escapar, invonlutariamente, todos os males e misérias, que nela estavam presos, e que, desde então, nos afligem. Teria restado, no fundo da bolsa, apenas a esperança, para consolo dos mortais.

Nesta modorrenta e quente noite de sábado, fui ao banheiro dar uma mijada, pensando em que texto poderia escrever para este blog, quando me saltou do cérebro o paralelo da mitológica boceta com a nossa buceta nacional (a xoxota), que prefiro grafar com “u”, na forma mais popular possível, porque ganhou desde há muito um significado autônomo, completamente diverso do de bolsinha (os dicionários deveriam, mesmo, fazer constar uma palavra nova, “buceta”, além da boceta já existente, que, aliás, ficaria melhor se fosse escrita e pronunciada como bolseta).

Pois, assim como da bolsa da pandora, da buceta também já sairam as piores pragas que assolaram a vida de milhares de gerações, ainda que dela também tenham vindo criaturas geniais e de uma dedicação fantástica às questões profundas da vida humana, como Wilhelm Reich, Karl Marx, Friedrich Nietzche, Darcy Ribeiro, Leonel Brizola, Garcia Lorca, Dante, Epicuro, Buda, Sócrates, Bakunin, Kropotkin, Oscar Wilde, Gregório de Matos, Carl Jung, Che Guevara, Albert Einstein, Richard Bach, Reminguay, Castro Alves, Getúlio Vargas, Evita Perón, Rosa Luxemburgo e uma interminável lista.

Quando me lembro que Lula, Hitler, George Bush, Carlos Lacerda, Nero (o “quentíssimo imperador romando), Calígula (este até que era meio divertido, pois nomeou Incitatus, o seu cavalo, senador e criou um bordel com as esposas dos nobres), Médici, Sarney, George Fridmann, Tarso Genro (que só cito, tão medíocre é, pelo tamanho “oceânico” de sua fama de dotô), Yeda Crusius, Mussolini, Stalin, e todos beatos moralistas da Igreja Católica e do PT, assim como os falcatruas pastores neopentecostais, saíram de uma buceta, fico imaginando se a culpa foi dela, da foda ou do caralho.

Mas o fato é que, embora a foda mais apaixonante e prazerosa possa acabar por gerar um monstro destes (já que não há na natureza relação imediata de causa e efeito entre o caráter da buceta e de seus filhos, a coisa é acidental e, muitas vezes, infeliz!), a única coisa certa é que de tais seres tem se originado a condição que impede ou torna sem graça e nociva a foda e o quotidiano de multidões, empesteando-lhes a vida e perpetuando a desgraça dos que trabalham sem ver o produto de seu fardo.

Há, é claro, certas exceções na longa lista de carrascos da humanidade. Júlio César (que deu nome ao parto por abertura do ventre) não veio da buceta, embora tenha sido fecundado nela. E, talvez por isto, conserve (como Napoleão, que não sei se nasceu de buceta ou cesariana, mas pode ter sido também “cagado”) uma certa aura de popular defensor dos oprimidos.

Já nós, humildes filhos da buceta, revolucionários ou oprimidos alienados (a perpetuar a opressão nos menores atos em relação a nossos companheiros), que sofremos, impomos e contestamos as conseqüências de pensamentos, decisões e atos dos grandes filhos da buceta (sejam filhos do simples prazer ou “filhos da puta”) não temos outro caminho, se não quisermos permanecer como eternas vítimas co-responsáveis das taras, interesses e safadezas dos “nobres descendentes da vagina” (impecáveis dominadores de alto coturno, sejam políticos, canastrões donos de empresas ou empolados “guias” intelectuais), senão eleger como máxima prioridade o prazer e a liberdade a que nos destinou, como o legítimo bem-estar de todo ser vivente, a grande buceta chamada vida. E das nossas fodas transcendentes, da oração carnal que constitui o gozo, poderá não se reproduzir mecânica e materialmente uma humanidade feliz, livre e solidária, mas se reproduzirá, no âmago de cada um, a alegria imediata de existir, apesar da precariedade de nossa condição mortal.

Ubirajara Passos

21 comentários em “A BUCETA DE PANDORA

  1. Em 16.02.07, às 09:51:28, gerson disse :
    Cara amigo: Me representa que este texto foi reproduzido de tempos atráz, esta faltando inspiração ou quem sabe é falta de tempo. Andei te procurando para saber notícias suas, andas fugido entreverado nos bolichos da noite, ou quem sabe é dor forte de cotovêlo associado as desilusões de comportamento da “sociedade”. a qual deixanos de cabelos em pè. Espero que esteja bem em todos os sentidos. Até mais

  2. Bárbara disse:

    Achei extremamente feio esse texto, apesar de ter muita base,meu caro não sejamos hipocritas quem faz um homem ‘bom’ ou ‘ruim’ ñ é a BUCETA e sim a sociedade e sua educação, ou vc acha que a BUCETA da sua mãe tem culpa de ter te feito sem modos…Francamente.

  3. CARO UBIRAJARA PASSOS!

    Sei que na verdade o império de satanas esta ruido e com ele todos os seus seguidores incluindo voçê, pois pense bem ainda atempo de se livrar da grande ira vindoura de nosso SENHOR JESUS CRISTO, a BIBLIA assim afirma:De que adianta o homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma ou seja a sua salvaçâo que sô vem da parte de nosso SENHOR JESUS CRISTO, a ele sim toda a HONRA,GLÓRIA e dominio para todo o sempre.
    Pense nisso,que DEUS te abençoe.

    • nandao disse:

      O seu deus, você e a biblia vieram de uma buceta com gonorréia e deveria estar com defeito assim como muitos imbecis, tapados, idotas, e que nao raciocinam. sao vermes da fossa ou seja vivem do que é produzido pelos outros e o pior da merda dos outros.

  4. Nelo disse:

    Bira, ainda que este texto tenha sido copiado, eu nunca o havia lido antes. Isso quer dizer que prá mim é inédito. E SENSACIONAL. Não podia haver melhor descrição para os filhos da p… e para os filhos da moral. Acho que os que se ofendem, tem uma certa parte de culpa. Eu me ofendi um pouco, pelo empresário que sou. Mas cumpro com minhas obrigações para com meu país. Então, não considero-me mais um filho ‘dela’. Verdade cara! De toda a merda que está solta por aí, a única coisa que sobrou foi mesmo a Esperança. Que apesar de ainda permanecer na B’o’ceta de Pandora, anda meio esquecidinha.
    Ainda acho que ‘Vagina’ só é pronunciada pelos Ginecologistas. Entre o povo brasileiro, é Buceta mesmo. Inté meu jovem.

  5. Nelo disse:

    Ooooops, esquecí-me de algumas coisas. Ainda Acho que os teólogos, poderiam ter ‘também’ umas aulas de Português. Assim não teríamos de ler alguns de seus textos, com verdadeiros ‘açascinatos’ de nossa querida língua mãe. (Deus me livre se esse cara tem um corretor ortográfico em seu micro) Vix..
    E tenho dito.

    • Marcos disse:

      É interessante quando certas pessoas enchem textos de palavras bonitas e muitas vezes incompreensíveis, mas não sabem escrever nem “exceção”.

      • Desculpe, Marcos, mas não sou um pedante analfabeto metido a intelectual. Infelizmente sou DDA e, especialmente quando escrevo na correria (ou inspirado pelos vapores do sagrado álcool), acabo cometendo alguns deslizes (quando não lapsos) ortográficos, que não derivam da falta de conhecimento do “vernáculo” (aí vai uma palavrinha incompreensível para tua diversão), mas da desatenção involuntária mesmo. De qualquer forma, fico grato pela advertência.

  6. angolano do norte disse:

    … acho que nem a boceta, nem a foda têm culpa de termos tantos homens e mulheres tortos/as e imbencis num espaço tao pequeno que é a planeta terra. nao acho nao, sao outros factores.

    contudo, reconheço a capacidade descritiva do autor. força aí, meu

  7. maxwell disse:

    eu gosto muito de buceta

  8. rosana. disse:

    NAO QUERO OFENDER,NAO SOU SATANISTA, MAIS GOSTO DE LER PARA TENTAR ENTENDER,DIZEM,QUE TODO SATANISTA E RICO VOCE E,VOCE, NAO TEM MEDO DA COBRANÇA,DIZEM QUE MUITAS VEZES A COBRANÇA E COBRADA COM A VIDA ,EXISTE SATANAS,E TAMBEM,jESUS,E DEPOIS QUE VOCE MORRER A SUA ALMA VAI FICAR SOFRENDO,DIZEM QUE SATANAS AQUI,ELE TE DAR TUDO,VOCES QUE O SERVEM,MAIS DEPOIS QUE VOCES MORREM,A SUA ALMA FICA SOFRENDO,POIS O QUE ELE QUERIA E QUER E A NOSSA ALMA,E SE ALQUEM QUIZER SAIR W MORTO,VOCE JA LEU O LIVRO FILHOS DO FOGO,QUANDO VOCE SE TORNOU SATANISTA,,A GRADEÇO SE ME RESPONDER,

    • Cara Rosana: em primeiro lugar não sou rico. Se se deu ao trabalho de ler atentamente uma das últimas crônicas publicadas, 50 dias em Silêncio, deve perceber que sou um mero trabalhador (servidor da justiça) metido a intelectual e que, nos últimos tempos, ando sem um único tostão no bolso. A única oportunidade em que tive alguma grana extra (uma poupança de R$ 22.000,00 lá pelo início de 1996, que hoje representaria uns R$ 90.000,00 no máximo) foi graças ao meu trabalho desde que assumi no foro de Gravataí, com 23 anos, até aquela data (ano em que completei 30). E graças aos meus hábitos absolutamente sóbrios (até então não freqüentava a boêmia e guardava pelo menos a metade do salário que recebia).

      Em segundo, não sou absolutamente satanista (pelo menos na acepção comum do termo, que significa o cultuador religioso ou mágico de uma entidade espiritual maléfico, uma espécie de contraponto do Deus Bondoso judaico-cristão), e, infelizmente, nunca li o livro dos Filhos do Fogo. Li, sim, lá por 1995, 1996, o ótimo livro “Biografia do Diabo”, que faz uma apanhado antropológico de todas as criaturas, desde o antigo Egito, que encarnaram, nas diferentes mitologias e tradições mágicas e religiosas do Ocidente, a figura do rebelde, o arquétipo do sem-controle, do caótico, das forças livres e prazenteiras da natureza, como é o caso de Pã ou Dioniso (deuses da mitologia greco-romana que foram assimilados ao Diabo da religião cristã católica, criando a tradicional figura de chifres, pés de cabra e tridente).

      Na verdade, admiro a figura, o arquétipo, a representação mitológica do ser que encarna em si a absoluta liberdade (e conseqüente rebeldia em relação a um monarca absoluto ditador de regras rígidas e sem emoção) e o gosto pelo prazer e pela alegria.

      O cristianismo, ao se tornar a religião oficial do Império Romano (ou seja, ao se tornar o fiador cultural do imaginário que sustentava a submissão do grosso da população à dominação dos senhores de escravo e patrícios) necessitava justificar, dentro das estruturas da sua crença, a dominação dos senhores a que servia e o quotidiano de desgraça e submissão da maioria. Assim, tratou de identificar tudo quanto representava a vida saudável e livre dos seres humanos (como o prazer sexual ou culinário, a alegria e a irreverência manifestados nos festivais da religião clássica/pagã) com a figura do mal personificado, o Diabo, ou Satanás (denominação bíblica tradicional). Numa sociedade onde o privilégio e o luxo, as possibilidades de prazer e dispor de si da classe dominante se sustentava, como no atual capitalismo, necessariamente sobre a subjugação da maioria dos indivíduos, reduzidos, na condição de escravos ou homens livres pobres, a simples objetos de utilização, a gado, dos nobres (e, portanto, sem direito a qualquer individualidade ou prazer legítimo, mas tão somente ao sofrimento austero ) era absolutamente imprescindível a glorificação da disciplina, do controle, do mecanicismo pré-estabelecido e vigiado de perto pelos executores do domínio. Assim, as forças da natureza, absolutamente aleatórias e impermeáveis ao controle humano nas condições tecnológicas da época, representadas por deuses cujos atributos principais eram o gosto pelo prazer (o bem-estar legítimo, a saúde do corpo solto, móvel e espontâneo) e a falta de controle, foram identificadas com o “mal institucionalizado”, o capeta cristão católico.

      Conseqüentemente, eu como um daqueles anarquista que pretende ferir e desafiar o escravismo assalariado dos nossos dias, resolvi atacar o cerne da cultura e da psicologia coletiva, do imaginário, que é a cultura rígida, disciplinadora e punitiva, a ideologia do “pecado”, em que se transformou o cristianismo tradicional, manipulado pelos sócios dos poderosos, sediado especialmente no Vaticano. E nada mais suscita o questionamento e a conscientização pelo choque do que a provocação precisa aos símbolos estabelecidos desta ideologia. Assim, o título dos ensaios antropológicos que me dispus a escrever (Sermões na “Igreja de Satanás”) tem por objetivo justamente provocar, escandalizar, para esclarecer e alterar as consciências e, por conseqüência, as estruturas sociais injustas e punitivas em que vivemos, nós, a maioria, o povinho, mergulhados. Não há nenhuma relação com algum culto religioso ou mágico em homenagem ao Lúcifer cristão, de que jamais participei, ateu e anarquista que sou. No máximo, o aproveitamento da figura sincrética, similar ao Baco romano, como o condutor imaginário dos ensaios, na sua feição de representante da irreverência, da espontaneidade, do prazer puro e genuíno de viver, comer, conversar e fuder, sem o sofrimento de viver debaixo do controle acachapante e desumanizador de exploradores/expropriadores donos do poder.

      Espero que tenha satisfeito sua curiosidade, e não a tenha frustrado. Sugiro, caso queira maiores detalhes das seitas satânicas, sejam elas tradicionalistas (e, portanto, defensoras do sadismo transformado em religião do diabo, como um mero opositor político, da mesma natureza do deus punitivo, seu irmão), sejam neo-satanistas (e defensoras do paganismo), que consulte algum site especializado ou algum membro da maçonaria, que parece que este povo entende um bocado do assunto.

      • Pedro disse:

        Muito embora as palavras aparentemente intelectuais de sua parte, tambem parece que você se esquece de que, se todos pensassem como você, a sociedade não evoluiria.O corpo de uma roseira subdivide-se em várias partes antes de se chegar ao ápice que é a flor. As raízes existem para buscar água no solo, o caule exerce a função de irrigar o corpo da planta, as folhas, de realizar a fotossintese. Digamos que esses filhas da puta que hoje vivem às custas dos menos favorecidos da sociedade sejam as flores. A sociedade necessita também de perfís servilistas, tais como essas pessoas acomodadas que simplesmente não vão atrás de objetivos, preferem ficar na “comodidade” da sua miserabilidade. Só lamento a falta de oportunidade que estes sacanas poderosos deixam de dar para as pessoas que buscam, procuram e insistem na busca por melhores horizontes, mas não sei por qual motivo são tolhidas, me parece por precaução destes tais poderosos, que na certa prevêem alguma ameaça no crescimento destas pessoas.Também acho que são muitas as instituições que permeiam esse lamaçal a fim de melhor poder controlar a massa. Enfim, somos um elefante preso a um pé de alface. Não precisaríamos negar a Deus para que fôssemos abastados e felizes sem culpa,o problema principal está no próprio homem que domina e se faz dominar. Penso que existe um lugar sim para aqueles que estão “aproveitando” da ignorância alheia para se auto-promoverem às custas do sofrimento por alienação, seja religiosa, política ou em qualquer esfera. Senão não haveria razão de ser. PS.: Também sou mais um pobretão em busca de um lugar ao sol, revoltado com o modelo atual de sociedade.Não rotulado como anarquista, mas insatisfeito com o modelo atual de governo e contra qualquer dominação. Um abraço.

  9. [...] A BUCETA DE PANDORA fevereiro, 2007 10 comentários 5 [...]

  10. É interessante notar que as pessoas falaram de tudo menos da essência deste mito maravilhoso, que relata justamente o que aconteceu a humanidade quando homem e mulher se uniram: Ruína e destruição, causadas pela sede de poder e do desejo de dominar a tudo e a todos, principalmente pelo ego masculino que usa até hoje a força para sufocar as idéias, com falsas teologias e outros métodos de tortura notadamente contra as mulheres e outros homens que querem a verdadeira liberdade. A beleza ainda maior deste mito é que apesar de todo mal libertado pelo homem ainda resta a esperança que nasce em cada criança que teremos mais um bom ser humano e a partir daí, é responsabilidade de todos que a vontade vire potência, como diria Nietzche.

  11. Magno Rocha disse:

    Num tinha coisa melhor pra escrever não? Aliás, em termos pragmáticos, pra que serve esse monte de baboseiras mesmo?

    • Não serve absolutamente para nada. No máximo para provocar a ira de quem vai a um blog anarquista, irreverente e desbocado procurar o utilitarismo prático sem graça e feroz que vem regendo a sociedade humana na Terra desde que uma meia dúzia de filhos da puta boçais descobriu uma forma de escravizar o restante dos seres humanos em proveito de seus instintos psicopáticos.

      • Michel disse:

        Anarquista? voçê se considera Anarquista e também intelectual? É, ‘Hoje em dia da no mesmo ser ignorante,Sábio, besta, pretensioso, afanador, tudo é igual, nada é melhor, é o mesmo burro ou um bom professor’…vai lá anarquista, doa aos miséráveis esses 90 mingaus que tu tens na poupança. E, em relação ao texto, mais parece um adolescente revoltado de saber que a buceta da mãe é de todos(só parece). Perdão, Não costumo ser tão como fui, mas é porque é foda essas coisas. Mas perdoe-me. Abraços…

  12. Chucki disse:

    Anos depois, ninguém entendeu!

  13. uerdes disse:

    buceta e melhor gue esta nesse mundo

  14. uerdes disse:

    a buceta e melhor gue tem neste mundo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s